Alternativa aos feirantes da José Avelino está 90% pronta
15.02.2017

Empreendimento Centro Fashion terá 300 lojas e 4.500 boxes. Proposta é transformar o local em novo polo de confecção e atrair os feirantes e consumidores da José Avelino que, segundo a Prefeitura, tem data para acabar.

Cerca de 90% do total de lojas (300) e boxes (4 mil) hoje disponíveis no Centro Fashion - cuja construção está praticamente concluída (90%) - foram vendidas para feirantes oriundos da Feira da José Avelino. É o que afirma André Pontes, diretor do empreendimento de moda popular que será inaugurado dia 26 abril, no Jacarecanga.

Além de boxes, e uma média de 40 megalojas, o Centro Fashion vai abrigar 300 lojas, das quais metade já foi vendida. Em decorrência da alta demanda, segundo André, a quantidade de boxes prontos até o dia da inauguração será ampliada de 4 mil para 4.500, podendo chegar a 8 mil. “A gente está oferecendo os boxes na José Avelino e a maioria dos compradores são pessoas que estão lá. Estamos dando uma opção pra eles porque a feira realmente vai acabar; isso não somos nós que estamos dizendo”, ressalta André se referindo às declarações do prefeito Roberto Cláudio.

Heron Moreira, presidente da União dos Feirantes, por sua vez, acredita que apenas 70% dos feirantes da José Avelino têm condições financeiras para adquirir um box ou loja no Centro Fashion. “Sem condições de trabalhar e com o rapa (fiscais da prefeitura) tomando a mercadoria, muitos desses que compraram já não têm nem como pagar”.

Os preços dos boxes variam de R$ 3.200 a R$ 25 mil, enquanto que o valor das lojas partem de R$ 40 mil, podendo chegar a R$ 100 mil. Cada 20m² de megaloja custa R$ 150 mil.

Com 70 mil metros quadrados (m²) de área construída, o equipamento receberá investimento total de R$ 100 milhões, calcula André. Mas a expectativa é que todo o montante seja recuperado em breve, projeta Francisco Philomeno Neto, também diretor do Centro Fashion. “A gente sabe que (o negócio) tem um tempo de maturação, mas nossa expectativa é ter retorno em três anos”. André projeta que o empreendimento deve chegar a movimentar R$ 2,5 bilhões por ano. E atrair turistas de compras que desembarcam de ônibus em Fortaleza, vindos principalmente do Pará, Piauí, Bahia, Maranhão e Interior do Estado.

Conforme André, a Feira da José Avelino “já chegou a receber mais de 100 ônibus, mas com as condições que estão lá, esse público vem caindo”. Elenca como principais problemas a falta de local para estacionar, multas e roubos a ônibus, bem como a falta de confortoa feirantes e consumidores.

Empregabilidade

Além de surgir como uma opção para os feirantes da Cidade, os empresários garantem que só em boxes serão gerados mais 9 mil empregos diretos e o dobro do número em empregos indiretos. Assim como na Feira da José Avelino, o local será aberto ao público de quarta-feira para quinta e de sábado para domingo.

 

LíGIA COSTA

Fonte: http://www.opovo.com.br/jornal/economia/2017/02/alternativa-aos-feirantes-da-jose-avelino-esta-90-pronta.html